Círculo do Desenvolvimento

Pleno Emprego e Cidadania

Estado Quebrado, o PAC e o Círculo de Giz

Posted by hsilveira em março 13, 2008

Helio Pires da Silveira -07-02-07

Vice-Presidente da AFBNDES

O Estado Brasileiro Quebrado

A “Oligarquia Financista” tem um discurso facilmente assimilável pelo senso comum:

“O Estado brasileiro está quebrado”;

“O Estado gasta mais do que ganha”;

“Como toda dona-de-casa, o Estado tem que equilibrar suas contas”;

“Temos que cortar gastos para pagar a Dívida Pública”;

” A Previdência Social está quebrada e é uma das principais razões do déficit público”; e

” O ‘Estado quebrado e ineficiente’ tem que conceder os serviços públicos para o setor

privado , já que não tem recursos: para a segurança pública, para as estradas, para a

educação, saúde e saneamento”.

Enfim, há exatos 25 anos, ouvimos que “Estado brasileiro está quebrado”, e por conta desta cantilena divulgada à exaustão pela mídia, acabamos quase que totalmente convencidos da necessidade de cortar os gastos, “organizar a casa”, “zerar o déficit”, aplaudir a contenção dos gastos em serviços públicos, a cada aumento do nível do“Superávit Primário”, na forma de Lei de Responsabilidade Fiscal.

Assistimos à crescente apropriação privada do Estado pela Oligarquia Financeira. Sobre a classe média, ainda empregada no segmento formal, recai o maior peso do aumento da carga tributária – exemplo: não correção da tabela do IR. O desmonte e a ausência do setor público em serviços essenciais obrigam, cada vez mais, o pagamento de planos privados de saúde, aposentadoria, educação etc. Para a base da pirâmide social, resta tentar sobreviver nas filas dos precários serviços públicos. Os serviços públicos e sociais enquanto garantias, direito e conquistas da cidadania, travestidos, agora, de Política Compensatória, tornaram-se filantropia estatal.

O fato concreto é: desde a crise do endividamento externo dos países em desenvolvimento nos anos oitenta, o país, há 25 anos, cresce a parcos 2,4% aa, e a participação do salário no PIB cai de 60% para algo em torno de 40%. Por conta deste crescimento medíocre, foi gerado um hiato do Produto Potencial da ordem de 80%(considerando uma média de crescimento normal em torno de 5% aa).O PIB corrigido estaria, atualmente, em torno de US$1400M, ao invés de US$750M.

O Plano Real ancorou a estabilidade na fixação do câmbio e nas altas taxas de juros atrativas para captação dos capitais externos, principalmente, de curto prazo que percorriam o mundo em busca de boas barganhas e tinham como alvo preferencial aplicações em títulos públicos dos governos emergentes (dívida interna) e privatizações. De 1994 a 2002, a dívida total líquida do setor público cresceu de 30% para 55% do PIB.

O Estado Brasileiro está Quebrado?

Nos últimos 25 anos, o Estado nunca esteve “quebrado”. É importante esclarecer que a dívida não foi constituída para financiar gastos do Estado( educação, saúde, investimentos sociais), e sim, para atrair “rentistas” nacionais e internacionais – o chamado capital especulativo de curtíssimo prazo. A constituição da Dívida Pública Interna é funcional, no sentido de ser utilizada como instrumento para satisfazer motivos de ordem político-econômica, assim compreendidos:

Nos anos 80, ela foi constituída, a partir de 1982, após a decretação da moratória (seguindo a Mexicana), através de um choque de juros, com a finalidade de enxugar, rapidamente, a liquidez, provocar um choque depressivo no mercado interno, gerar excedentes exportáveis (ajudado por uma Maxi-desvalorização de 30%) e, por último, e não menos importante, proteger o capital circulante líquido do empresariado interno. Nesse período, o endividamento público interno passou de 5%, em 1980, para 40% do PIB, no final da década.

Nos anos 90, seguindo o caminho e a modelagem (âncora cambial) dos “Planos de Estabilização” mexicano e do Argentino (precedidos de renegociação dos débitos externos, nos termos do Plano Brady). Conforme citamos, a constituição da dívida interna foi para atrair capitais externos, passando de 30% para 55% do PIB, em 8 anos. A coincidência é que os três planos “estouraram” a paridade: o México, em 1994; o Brasil, em 1999 e a Argentina, em 2001; aliás, a década foi pródiga em estouros de âncoras cambiais: a Coréia e os “Tigres Asiáticos”, em1997; e a Rússia, em1998.

O Estado brasileiro não está e nunca esteve tecnicamente “quebrado”, pois a razão objetiva para constituição de um endividamento é quando os Gastos Correntes Primários( despesas com funcionários e materiais) superam as Receitas Fiscais(Impostos em geral). Esta diferença é conhecida como: Necessidade de Financiamento do Setor Público – Primário e é o fato gerador de uma possível dívida real.

Conforme dados do BACEN, no período de 1985 a 2004, a média da Necessidade do Financiamento – Primário ( % do PIB) foi de (- 2,11%) e o desvio padrão de (- 2,09%).

O que significa dizer que nesse período o Estado brasileiro, em termos primários, foi, em média, Superavitário em torno de 2% do PIB, dentro de um intervalo de até 4% e no mínimo de 0%, ou equilibrado. De fato, o superávit máximo foi de 5,6% do PIB, em 1994, e os únicos anos em que houve Necessidade de Financiamento, a nível primário, foram: os de 1987 (1%), 1989 (1%), 1996 (0,1%) e o de 1997(1%).

Realizamos, então, a média do período de 1985 a 1998, para não haver distorção com os altos “superávits primários” exigidos pelo acordo com o FMI, entre 1999 e 2004(todos acima de 3% do PIB), e chegamos a uma média anual de Superávit primário de 1,4% do PIB e a um desvio padrão de 2,1%. Neste caso, o intervalo se situou entre 3,5% de superávit e déficit de 0,7%.

Resumindo, num conjunto de 25 anos, somente 4 anos apresentaram déficits primários que não ultrapassaram 1%, na média. Este fato destrói a argumentação, que a dívida foi constituída para financiar o déficit das contas correntes( receitas menos gastos reais, não finaceiros) do Estado Brasileiro. Repetimos, não houve razão técnica real para a constituição da Dívida de R$ 1 Trilhão.

Como resgatar a Dívida Interna Líquida – superior a R$ 1 Trilhão – O Círculo de Giz

Mostramos que não houve razão técnica para constituição da dívida pública, portanto, se ela não tem razão de existir, então, é facilmente liquidável. Em outros termos: ela pode ser devolvida à Economia Real, nos seus vencimentos. O objetivo político de sua manutenção é a transferência de renda para a “Oligarquia Financeira”. O problema da

dívida pública é, portanto, uma falácia, trata-se de um “Círculo de Giz”, no qual fomos aprisionados por uma decisão política determinada pela Oligarquia Financeira apoiada por poderosos instrumentos de informação.

Os operadores financeiros dos grandes bancos privados assustam a sociedade sempre com a argumentação de que a dívida pública é a poupança da população. Entretanto, omitem, deliberadamente, o fato, de que o setor financeiro é concentrado em poucas e grandes instituições nacionais e internacionais; que a maior fatia de seus ganhos vem dos grandes volumes que negociam e do alto diferencial dos juros que recebem da SELIC(sem risco), das elevadas taxas cobradas dos devedores e das tarifas cobradas dos clientes, ou seja, trabalham “alavancados” com o dinheiro de todos. Assim, lucros recordes acumulados, dos grandes bancos e instituições financeiras, nos últimos anos são distribuídos entre grandes e poucos acionistas e administradores na forma de dividendos e prêmios. Este é o setor hegemônico do capitalismo, no mundo contemporâneo; o “Bezerro de Ouro” de nosso tempo, adorado e adulado pelas forças políticas que lhe servem e pelo magnífico sistema de informação que lhe dá a consistência necessária para manter-se funcionando.

Apesar de alegarem que o déficit público tem que ser zerado, eles, na verdade, nunca desejam que o governo liquide ou diminua a dívida – já que esta é sua fonte principal de ganho fácil e sem riscos, há 25 anos, criando uma hipertrofia no sistema financeiro em relação aos demais setores da Economia.

Por outro lado, o Nível de Crédito Total da Economia Brasileira, em relação ao PIB, está no patamar de 33%, o que demonstra o desvio do setor financeiro da sua função primordial de conceder créditos e assumir riscos. O retorno do montante da dívida pública ao setor real(resgate) significa, para os “Financistas”, voltar ao “trabalho desagradável” de conceder crédito para milhares de mutuários e a desagradável situação de assumir riscos.

Qualquer Economia saudável, e até mesmo conservadora, trabalha com seus agregados monetários básicos, Meios de Pagamento (M1) e Nível de Crédito, em torno de 20% e 80%, respectivamente, em relação ao PIB. No Brasil, atual, estas variáveis são de 6% e 33% respectivamente. Isto significa dizer, que a Dívida é perfeitamente pagável nos seus vencimentos, podendo voltar ao sistema na forma de Títulos do Desenvolvimento (evidentemente, administrados pelo BNDES) em prazos alongados e a juros acessíveis e, o mais importante e agradável, ainda resta uma folga de liquidez de 15% do PIB para ser injetada sob a forma de investimentos públicos e resgate da dívida social, ao longo dos próximos anos. Utilizando-se de uma metáfora, é como proceder a aterrissagem de um “Boeing”. A cada vencimento das séries dos títulos, oferecer outros( inclusive os do BNDES) com maior prazo e juros gradativamente menores, cabendo ao BACEN controlar a liquidez da política monetária, no interbancário(curto prazo), com juros menores( Isto é necessário, porque se o BACEN se retirar do mercado de curto prazo – Mercado Interbancário- a taxa de juros cai muito rapidamente – na realidade, desabariam – provocando distorções indesejáveis e, paradoxalmente, provocando ganhos de curto prazo, pelo sistema de marcação a mercado) .

Em outras palavras, o governo, hoje, é o Monopsonista (Monopsônio é o Mercado em que só existe um único comprador) do mercado de dinheiro, e o custo do dinheiro é mantido artificialmente, elevado, mesmo perante a enorme liquidez internacional(o que resulta numa enorme valorização do Real , comprometendo as exportações futuras).

Assim, manter a liquidez do sistema financeiro, congelado na forma de títulos, é travar o desenvolvimento; é manter a Economia em ritmo “travado”, muito aquém da plena utilização da capacidade produtiva; é prejudicar toda a “Economia Real”, beneficiando os “operadores” do Mercado Financeiro. No médio prazo, é manter um “Círculo Vicioso Cumulativo” onde vão se deteriorando todos os vínculos de solidariedade entre as classes sociais; no limite, é transformar a nação em “terra de ninguém”, onde, cada um desconfia do próximo e inveja aqueles que têm um emprego formal. O pior é que este processo é dinâmico, na medida em que a dívida e a carga de juros aumentam, tirando, cada vez mais, recursos( principalmente, trabalho) da atividade formal.

O Sistema Privado é mais eficiente do que o Estado? Eficiência X Eficácia

O sistema privado, no seu conjunto, é, de fato eficiente, principalmente, na produção de mercadorias.

Entretanto, aí existe um sofisma: quando nos referimos ao “sistema”, estamos falando do conceito de conjunto ou a setores, e não, da “empresa isolada”. Neste caso, a empresa isolada ou alguns setores podem ser eficientes, outros, não . . . e aí temos inúmeros exemplos de empresas e setores eficientes e ineficientes.

Outra questão é entender o significado da Eficiência. Realmente, a eficiência tem uma conotação de curto prazo (tática) e esforço focado no objetivo imediato de qualquer empreendimento no sistema capitalista: lucro, não levando em consideração efeitos colaterais do esforço desprendido a médio e longo prazos. É da natureza do sistema privado e do capitalismo ser eficiente, produtivo e acumulativo. Desde a Revolução Industrial, o capitalismo aumentou geometricamente a produção mundial de bens e serviços. Entretanto, ao longo deste período, também foi da competência do “capitalismo e do Livre-Mercado” todo o imenso passivo ambiental(Efeito Estufa, destruição da biodiversidade, poluição generalizada), a deterioração das relações trabalhistas e exclusão social cujo aumento exponencial verificamos nestes últimos tempos de globalização.

Por exemplo: deixado livre, o mercado de madeira é eficiente a ponto de extinguir rapidamente todo o cinturão verde equatorial mundial e as reservas naturais da flora e da fauna, como aconteceu com as florestas norte-americanas.

Em geral, a eficiência de setores privados, em áreas de Serviços de Utilidade Pública ou de Longa Duração, não resistem a um período de mais longo prazo. São conhecidos os exemplos: fracassos de planos de complementação de renda(Montepios e CAPEMI), ou de consórcios que quebram, ou da perda dos correntistas de bancos que sofreram intervenção ou saneados com recursos públicos – PROER, ou das empresas privatizadas, alvos constantes de reclamações nos PROCOM’s, além da situação de incerteza dos idosos, detentores de planos de saúde, sobre sua solvência e continuidade. No prisma internacional, os exemplos foram significativos: A gigante Enrom e AES, no setor elétrico e a MCI, no setor de telecomunicações, além do caso das Empresas Aéreas , após o “11 de setembro de 2001”, onde o Estado Americano interveio participando acionariamente, para, literalmente, mantê-las no ar.

Já o Estado, por ser uma entidade permanente(embora nem sempre tenha existido e, certamente, um dia poderá acabar), atua no campo da Eficácia – conceito de longa duração(estratégia).

O Estado, por ter a prerrogativa de captador de rendas, emissor de meio circulante, além de indutor e criador de rendas pela sua capacidade de investir ou induzir investimentos, é sempre eficaz no longo prazo e capaz de diluir riscos sistêmicos. É conhecida sua atuação anticíclica nas crises capitalistas, sendo o “New Deal” de Roosevelt, o mais expressivo exemplo.

No caso do Estado brasileiro, acabamos de citar o mau-exemplo de sua eficácia em criar renda para “rentistas”. Então, no Brasil, não se trata de ineficiência do Estado, na verdade, ele tem sido eficaz e competente, ao longo de sua história, em transferir renda para as oligarquias, e, no momento atual, para o setor hegemônico: o capital financeiro, cuja estrutura ideológica fundamental é a defesa do “Estado Mínimo”, o qual abre mão de investir em serviços essenciais à população(saúde, educação, segurança, geração de empregos etc), para restringir-se às atividades mantenedoras da propriedade patrimonial privada; portanto, não se trata de um problema técnico, e sim, político.

As Oligarquias Econômicas

A História Econômica Brasileira, ao longo dos séculos, pode ser resumida na estreita vinculação: Estado e Oligarquias Dominantes, fruto do modelo colonial do tipo agroexportador(“plantation”), aqui desenvolvido. Cada ciclo econômico pode ser identificado por relações sociais de dominantes/dominados: “Os Senhores de Engenhos e seus escravos”; “Os Barões do Café e seus escravos e/ou trabalhadores rurais”; “Os Grandes Empreiteiros” e seus operários mal pagos; os atuais, “Reis do Gado e seus peões” e “Reis da Soja e seus tratores”; e, por último, os “barões” pós-modernos: “Os Financistas – Senhores do Mercado” e o restante da sociedade brasileira.

Ao longo do século XX, acompanhamos, além das castas citadas, nas primeiras décadas, o predomínio de “Famílias” em Serviço de Infra-estrutura Pública. O jornalista-econômico, José Carlos Assis – no seu artigo diário, em Desemprego Zero/Monitor Mercantil – “PPP é uma bobagem!”, de 16-08-04 -, cita: ” Historicamente, o setor privado começou a sair da infra-estrutura do Brasil, nos anos 30, porque o Estado deixou de lhe garantir a famosa cláusula-ouro”.

Na segunda metade do século XX, Oligarquias Familiares retornam à Infra-Estrutura: nos anos setenta, grandes empreiteiras, conhecidas pelo sobrenome familiar, retornam, através de licitações, à construção das grandes obras públicas financiadas por órgãos oficiais.

Nos oitenta, elas, agora, voltam explorando como concessionárias, as mesmas obras que construíram, na década anterior, financiadas por órgãos oficiais e garantidas por tarifas e preços indexadas a índices de inflação.

Nos noventa, grandes grupos familiares, aliados a financistas e/ou investidores externos, participam da “compra” do Patrimônio Estatal, financiada por órgãos oficiais e garantida por tarifas indexadas a índices de inflação.

Agora, no século XXI, as Oligarquias alcançam o “Estado d’arte” acobertadas por forte cobertura da mídia, de cuja eficácia comunicativa se utilizam para consolidar junto à população os conceitos de “Estado Quebrado versus eficiência Setor Privado”, terraplanando o caminho que leva à implantação de Parcerias.

Enfim, chegamos ao atual estágio, onde existe uma contradição básica, os Serviços de Alta Prioridade serão concedidos ao eficiente setor privado, e a rentabilidade e até 80% do financiamento serão garantidos por órgãos oficiais do “Estado Quebrado”.

Conclusões:

Nosso objetivo foi tentar desmistificar a falácia do “Estado Quebrado”;

A Dívida Líquida é perfeitamente liquidável, e mantê-la como está é uma opção política para favorecer a “Oligarquia Financeira”, contribuindo para aumentar a desigualdade de renda ao longo do tempo, além de contribuir para a impossibilidade do Estado atender os Serviços Públicos Universais.

Que a proposta das parcerias Público/Privada, formulada a partir da falsa tese de insuficiência financeira do Estado, acaba se transformando em mais um estágio de favorecimento à oligarquia do setor privado onde a rentabilidade e o financiamento, em sua quase totalidade, serão garantidos pelo Estado “Quebrado”.

Que repassar Serviços Públicos Universais, com Demanda Determinada(inelástica) e tarifas indexadas aos índices inflacionários, é transferir cartórios(monopólios públicos naturais) sem risco para o setor privado quebrando até mesmo o pilar básico do capitalismo baseado no binômio “risco-retorno”.

Proposições:

Promover a devolução, gradativa, da Dívida Líquida, nos seus respectivos prazos de vencimento, aumentando a liquidez da economia e lançando Títulos do Desenvolvimento com prazos mais longos e juros adequados, como “funding”, para o BNDES tocar projetos e programas reais dentro de um amplo Plano de Desenvolvimento Nacional e ter recursos livres para o Estado tocar os Serviços Essenciais.

Com recursos, as obras públicas administradas pelo Estado poderiam seriam executadas pelo setor privado, mediante o tradicional processo de licitação(concorrências divulgadas e executadas pela “internet”, onde o acompanhamento da obra, também, poderia ser acompanhado através da “internet”, ou seja, estariam sujeitas ao controle social da sociedade organizada ).

Poderia ser concedida a outorga de concessão pública a empresas privadas, somente no caso de projetos totalmente inovadores, de alto interesse social ou estratégico, onde o risco correria por conta do empreendedor privado ou, dependendo da prioridade ou da exemplaridade, em até 50%, pelo Estado.

Ainda no campo das licitações de obras tradicionais, o Estado deveria promover novas formatações de verdadeiras parcerias, no âmbito da Economia Solidária, através de consórcios firmados em arranjos de Pequenas Empreiteiras, Empresas de Auto-gestão ou Cooperativas coordenadas por órgãos públicos de notórios conhecimentos como: Embrapa, Emater, Setores de Engenharia das 3 Forças Armadas, Centros de Pesquisa CENPES/Petrobrás, COPPE/UFRJ, Empresas Públicas como: Petrobrás, Eletrobrás e outras.

PAC:

Finalmente, procuramos mostrar que um outro modelo era possível, desde 2002, ou que havia vida além das verdades únicas do “Estado Mínimo”. Para não ficarmos só nas críticas, mostramos a FONTE dos recursos e os USOS nos Projetos Nacionais e, fundamentalmente, a recuperação com o retorno dos SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS: EDUCAÇÃO/SAÚDE/SANEAMENTO/HABITAÇÃO, a serem executados pelo Estado Nacional.

A motivação deste artigo, que foi atualizado, é louvar a iniciativa do Governo de lançar o Plano de Aceleração do Crescimento, em 22 de janeiro de 2007. Apesar de tímido e com quatro anos de atraso, é uma tentativa organizada de Estado, através de um conjunto de projetos de investimentos agregados em áreas importantes de infra-estrutura – saneamento, energia e habitação-, de voltar a orientar e direcionar a idéia do Desenvolvimento. E, do valor anunciado de R$504Bilhões, 87%(R$436 Bilhões) estão no âmbito do Estado, através das Estatais.

Cabe, as Entidades Civis Organizadas, acompanhar, exercer controle social, pressionar por uma ampliação e melhoramento do Plano para torná-lo Significativo, sob o risco de vê-lo abortado, na origem, pelos mesmos segmentos que alardeiam as velhas cantilenas do Estado Mínimo, mas que querem, na verdade, verem suas receitas financeiras, advindas dos títulos públicos, no Estado Máximo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: